Novidades do Guia PMBOK® 5ª Edição (Exposure Draft)

PMBOK 5 Edicao (capa) O Guia PMBOK® é um padrão reconhecido para a profissão de gerenciamento de projetos descrevendo normas, métodos, processos e práticas estabelecidas. Contém o conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos que é amplamente reconhecido como boa prática e aplicável à maioria dos projetos na maioria das vezes. Não é uma metodologia! Visa também fornecer e promover um vocabulário comum dentro da profissão. Considerando todas as edições, já foram vendidas mais de 3,5 milhões de cópias do Guia!

O Project Management Institute (PMI®) publicou em 17 de fevereiro o PMBOK® Guide 5th Edition Exposure Draft, que pode ser baixado pelos filiados em http://ed.pmi.org/Pages/EDView.aspx?DocumentId=19. Trata-se do “rascunho”, apenas no idioma inglês, da mais nova edição de lançamento do famoso e conhecido Guia de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK®) do mundo.

“Exposure Draft” é uma versão de avaliação, não é a versão final. Foi liberada para revisão, críticas e sugestões da comunidade de gerenciamento de projetos até 20 de Março de 2012, a fim de que possam ser avaliados pela equipe responsável e, de acordo com a relevância, realizados os ajustes para a versão definitiva, que deverá ser publicada, se tudo correr conforme planejado, em dezembro deste ano.

Não identifiquei grandes mudanças substanciais na nova edição, a maioria foi mais “perfumaria”. A mais marcante em minha opinião foi a criação de uma nova área de conhecimento, conforme havia sido anunciada no Congresso Brasileiro de Gerenciamento de Projetos no ano retrasado em Brasília. Tendo em vista que o Draft foi liberado apenas em inglês, procurei traduzir os termos existentes de acordo com a 4ª edição, sendo os novos “adaptados” por mim.

Vamos às principais novidades:

  • Um maior número de processos em relação às edições anteriores; agora um total de 47. Houve um aumento considerável em relação à 4ª edição que contava com 42 processos. Na 2ª edição tínhamos 39 e na 3ª 44;
  • Não houve alterações em relação aos grupos de processos, apenas o quantitativo de processos em cada grupo foi mudado: Iniciação (02), Planejamento (24), Execução (08), Monitoramento e Controle (11) e Encerramento (02);
  • A mudança mais impactante foi a criação da 10ª área de conhecimento: o “Gerenciamento de Partes Interessadas” com 4 (quatro) processos: “Identificar as partes interessadas”, “Desenvolver o plano de gerenciamento das partes interessadas”, “Gerenciar o envolvimento das partes interessadas” e “Monitorar e controlar o envolvimento das partes interessadas”. Dois destes processos são novos e os outros dois foram remanejados da área de Gerenciamento das comunicações do projeto;
  • Foram inseridos cinco processos “novos” (os 3 primeiros já constaram da 3ª Edição e estão voltando):
    • Planejar Gerenciamento do Escopo;
    • Planejar Gerenciamento do Tempo;
    • Planejar Gerenciamento do Custo;
    • Planejar Gerenciamento das Partes Interessadas e
    • Monitorar Envolvimento das Partes Interessadas.
  • 2 (dois) processos da 4ª edição foram remanejados de área de conhecimento. Os processos “Identificar as partes interessadas” e “Gerenciar Expectativas das Partes Interessadas” deixaram de fazer parte área de Gerenciamento das Comunicações passaram a nova área de Gerenciamento das Partes Interessadas;
  • 11 (onze) processos da 4ª edição tiveram seus nomes alterados a fim de ficarem mais alinhados aos conceitos dos grupos de processos a que pertencem e a seus objetivos. Mais adiante explicitarei estas alterações quando abordar a análise por área de conhecimento.

Na tabela a seguir veremos como os 47 processos foram distribuídos entre os grupos e áreas de conhecimento:

mapa
Figura: Mapa de distribuição dos processos por grupos e áreas de conhecimento e (Exposure Draft) – (clique para ampliar)

Como podemos observar, além dos 29 (vinte e nove) processos da edição anterior que não sofreram alteração, temos os 5 (cinco) processos novos em verde; os 2 (dois) processos que mudaram de área de conhecimento em laranja e os 11 (onze) processos que tiveram alteração no nome em amarelo.

Como vimos, a quantidade de processos de planejamento aumentou bastante, antes tínhamos 20 processos dos 42 da 3ª edição (47,6%); agora temos 24 dos 47 – mais de 51% dos processos de gerenciamento de projetos! Isto demonstra a importância e a preocupação com o planejamento e ressalta características relevantes que um gerente de projetos deve ter: proatividade, “pensar” antes de agir, cuidado com a prevenção, se antecipar aos problemas ao invés de “apagar incêndio” etc. Nesta edição, cada área de conhecimento possui um processo formal de planejamento resultando na elaboração de um plano de gerenciamento auxiliar. O processo “Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto” ficou com o papel que realmente deveria ter: o de integração dos planos auxiliares visando o desenvolvimento de um plano de gerenciamento de projetos integrado e coeso, e não na elaboração de planos auxiliares como estava acontecendo com os planos de gerenciamento de escopo, tempo e custo.

Sob a perspectiva das áreas de conhecimento, temos as seguintes alterações fundamentais:

  • Gerenciamento da Integração
    • Mudança do nome do processo “4.3 Orientar e gerenciar a execução do projeto” que passou a se chamar “4.3 Orientar e gerenciar o trabalho do projeto”.
  • Gerenciamento do Escopo
    • Mudança do nome do processo “5.4 Verificar o escopo” para ‘5.5 Validar o escopo”;
    • Esta alteração é positiva. Outros frameworks de boas práticas entendem que a aceitação formal das entregas, é uma “validação” e não uma “verificação”. A “verificação” confunde com o controle da qualidade. O que eu não entendi é por que o PMI não alterou também o nome de uma das entradas deste processo – continua como “Entregas Validadas”. Ficou “estranho”, pois como vamos realizar um processo para “validar” se uma das entradas é “entrega validada”? Minha sugestão seria alterar a entrada para “Entregas Verificadas” (essa é uma das saídas do processo “Controlar a Qualidade”).
  • Gerenciamento do Tempo
    • Inclusão do processo “6.1 Planejar o gerenciamento do cronograma” – retorno do processo da 3ª Edição;
  • Gerenciamento dos Custos
    • Inclusão do processo “7.1 Planejar o gerenciamento dos custos” – retorno do processo da 3ª Edição;
  • Gerenciamento da Qualidade
    • Alteração do nome do processo “8.1 Planejar a qualidade” para “8.1 Planejar o gerenciamento da qualidade”;
    • Alteração no nome do processo “8.3 Realizar o controle da qualidade” que passou a se chamar “8.3 Controlar a qualidade”;
    • O objetivo das alterações foi manter a uniformidade entre as diversas áreas de conhecimento.
  • Gerenciamento dos Recursos Humanos
    • Alteração do nome do processo “9.1 Desenvolver o plano de recursos humanos” para “9.1 Planejar o gerenciamento dos recursos humanos”.
  • Gerenciamento das Comunicações
    • Saída dos processos “10.1 Identificar as partes interessadas” e “10.4 Gerenciar a expectativa das partes interessadas” que passaram para a nova área de conhecimento “gerenciamento das partes interessadas”;
    • Alteração do nome do processo “10.2 Planejar as comunicações” para “10.1 Planejar o gerenciamento das comunicações”;
    • Alteração dos nomes dos processos “10.3 Distribuir informações” e “10.4 Reportar desempenho” para respectivamente ‘10.2 Gerenciar as comunicações” e “10.3 Controlar as comunicações”.
  • Gerenciamento dos Riscos
    • Alteração do nome do processo “11.6 Monitorar e controlar os riscos” para “11.6 Controlar os riscos”;
  • Gerenciamento das Aquisições
    • Alteração do nome do processo “12.1 Planejar aquisições” para “12.1 Planejar o gerenciamento das aquisições – mudança “cosmética”;
    • Alteração do nome do processo “12.3 Administrar aquisições” para “12.3 Controlar as aquisições”.
  • Gerenciamento das Partes Interessadas
    • Criação dessa nova área de conhecimento. Poucas técnicas e ferramentas foram introduzidas nesta área, a maior parte foram trazidas da área de comunicações;
    • Foram criados os processos “13.2 Planejar o gerenciamento das partes interessadas“ e “13.3 Gerenciar o envolvimento das partes interessadas”;
    • Os processos “13.1 Identificar as partes interessadas” e “13.4 Controlar o envolvimento das partes interessadas“ foram movidos da área de gerenciamento das comunicações, sendo que este último sofreu também uma alteração no seu nome, pois antes era “Gerenciar as expectativas das partes interessadas”;
    • A criação desta área parece não ser uma unanimidade na comunidade de gerenciamento de projetos, mas creio que a ideia seja ressaltar a importância do gerenciamento das partes interessadas como sendo um fator crítico de sucesso do projeto, e não focar apenas as “comunicações” neste gerenciamento.

Seguem algumas outras novidades:

  • A nova edição contempla o alinhamento do Guia com norma ISO 21.500, novo padrão internacional em gerenciamento de projetos da International Organization for Standardization que está em desenvolvimento desde 2007. Atualmente são 33 países envolvidos, entre eles o Brasil, que participa ativamente do processo representado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sendo o PMI o representante do governo americano na formulação desta ISO. O capítulo 3 do Guia PMBOK® que trata do “Padrão de Gerenciamento de Projetos” foi ajustado e as partes que estão relacionadas com a norma passam a constar dos apêndices.
  • Um conceito novo que apareceu nesta edição foi o “Business Value”, na seção 1.6 do Guia. Aparentemente procurou seguir a ISO 21.500 supracitada. Faltaram mais definições e elucidações neste aspecto, tais como as responsabilidades e exemplos. Mas é sem dúvida um avanço!
  • Analogamente ao comentário anterior, ainda não foi dessa vez que o PMI procurou detalhar e descrever os conceitos por trás do “Business Case”, assim como exemplificar a aplicabilidade prática, identificando claramente os papéis e responsabilidades. Em determinado trecho da nova edição, aparece uma novidade, cita que o gerente de projeto deve assumir um papel estratégico, enquanto que no restante do Guia, assim como nas edições anteriores, suas funções e responsabilidades são tático-operacionais.

A seguir apresento o diagrama dos processos de gerenciamento de projetos baseados no draft da nova edição:

image
Figura: Mapa de Processos PMBOK 5ª (Exposure Draft) – (clique para ampliar)

Resumidamente: poucas novidades, confesso que esperava um pouco mais!

As pessoas que estão se preparando para o exame de certificação PMP e CAPM, não precisam ficar preocupados com as mudanças agora, pois estas alterações só irão refletir no exame a partir do ano que vem, em 2013.

Relembro que o “exposure draft” é apenas uma versão preliminar, podendo haver alterações até o lançamento da versão definitiva, que se tudo correr conforme o planejado, como em nas atualizações anteriores, deverá ser lançada no fim deste ano. Atenção, o prazo final de envio de sugestões é 20 de março, participem!

Espero que tenham gostado. Encontrar-nos-emos no próximo post/artigo!

Um grande abraço e até lá.

Carlos Henrique (Caique), MSc, CSM, PMI-RMP, PMP

Obs: PMI®, PMP®, CAPM® e PMBOK® são marcas registradas do Project Management Institute, Inc.

7 Comentários

  1. Gino Iori 15/03/2012 at 8:25 PM #

    Fala pessoal, boa noite!

    Gostei bastante do post, o único equivoco que vi foi no 5º item da seção “Vamos às principais novidades”, falando que o processo “Identificar Riscos” faz parte da área de “Gerenciamento de Comunicações” / “Gerenciamento das Partes Interessadas”

    []’s

    Gino Iori, PMP

  2. Gino,

    Primeiramente, obrigado pelos seus comentários. Quanto a sua observação, está corretíssima, você localizou uma “impropriedade material” no documento!

    No trecho do post, onde se lê:
    * 2 (dois) processos da 4ª edição foram remanejados de área de conhecimento. Os processos “Identificar RISCOS” e “Gerenciar Expectativas das Partes Interessadas” deixaram de fazer parte área de Gerenciamento das Comunicações …

    leia-se:
    * 2 (dois) processos da 4ª edição foram remanejados de área de conhecimento. Os processos “Identificar as PARTES INTERESSADAS” e “Gerenciar Expectativas das Partes Interessadas” deixaram de fazer parte área de Gerenciamento das Comunicações …

    Neste trecho, ao invés de “Identificar riscos” o correto é “Identificar as partes interessadas”!
    No restante do documento, assim como no diagrama e tabela, os processos estão certos.

    Vou pedir para o administrador do blog corrigir.

    Obrigado pela colaboração!
    Um grande abraço,
    Caique.

    Twitter: @caiquerj

  3. Gustavo 11/12/2012 at 8:51 AM #

    Tem um cara que copiou seu artigo, fez algumas alterações, e não te citou…

    Tem até a mesma opinião pessoal que a sua. Engraçado né?

    http://www.tiespecialistas.com.br/2012/12/novidades-do-guia-pmbok-5a-geracao-exposure-draft/#comments

  4. Permissão para uso de figuras 08/05/2013 at 2:58 PM #

    Boa tarde, meu nome é Fernanda Estaiano. Estou cursando pós em TI na UFABC e estou preparando meu TCC sobre Gerenciamento de Projetos e Governança. Achei muito interessante a figura do Draft Exposure PMBOK 5. Posso utilizá-la no meu documento ?

    Aguardo retorno

    Grata

    Fernanda

  5. Rodrigo 30/07/2013 at 9:33 PM #

    Carlos,
    Estundando pelo material da Rita versão 7 ainda PMBOK versão 4 é possivel passar no exame novo?

Trackbacks/Pingbacks

  1. Mudanças que vem por aí no PMBok 5° edição | Gestão de Projetos - 21/07/2012

    […] artigo de hoje está disponível no site ogerentedeprojeto e relatará as mudanças que estão vindo com a nova versão do […]

  2. Novidades da 5ª edição do PMBOK « Blog Gestão de Projetos Ágeis – Daniel Ettinger - 07/10/2012

    […] do Guia PMBOK® 5ª Edição (Exposure Draft). Blog Gerente de Projeto. 2012. Disponível em <http://gerentedeprojeto.net.br/?p=2224&gt;. Compartilhe isso:CompartilharTwitterFacebookLinkedInEmailImprimirGostar disso:GosteiSeja o […]

Deixe uma resposta

UA-17398165-1